quinta-feira, março 25, 2010

Picaretagem Acadêmica

O blog do Ivan Carlo conta um exemplo da picaretagem que abunda nas universidades brasileiras. O professor estava orientando duas alunas em seus trabalhos de conclusão de curso, e desconfiou plágio nas duas pesquisas. Numa delas, em que o plágio era mais evidente, chegou a pedir para a aluna refazer o trabalho. No final das contas, ambos os trabalhos eram colchas de retalhos de outros textos, e a aluna "flagrada" não só entregou o mesmo trabalho como ainda colocou a culpa no orientador! Cito o post original:

Entrei em contato com essa aluna, explicando que tínhamos que repensar o trabalho. A resposta, irada, me espantou: a aluna colocava a culpa em mim. Dizia que não fui um orientador, já que peguei o trabalho pronto. Eu havia sido um "mero corretor, e incompetente, pois não havia sido capaz de identificar os plágios dela". Dizia-se inclusive vítima, pois havia gastado dinheiro com a encadernação.


Agora, paro para refletir. Se a picaretagem dos alunos é tão rasteira assim, na maior parte das universidades brasileiras, os quais não se dão nem ao trabalho de tentar fazer algo errado que não vá ser descoberto, é porque há conivência com os professores e diretores. Certamente, as alunas do caso acima não esperavam que alguém lesse seus trabalhos, ou que se importasse com o plágio. E provavelmente suas expectativas eram racionais, endógenas às sinalizações de seu ambiente.

5 comentários:

Enoch Filho disse...

Tem muita faculdade que virou um escolão, uma espécie de ensino médio avançado...

Diego de Paula disse...

Ah, claro!! Ela nem percebeu o plágio!!

Será que ela leu o trabalho???

##

Diego de Paula disse...

Ah, claro!! Ela nem percebeu o plágio!!

Será que ela leu o trabalho???

##

Daniel Simões Coelho disse...

Que pesadelo para o orientador. Meu trabalho de conclusão não ficará o mais belo, mas pelo menos eu quem fiz.

... DdAB - Duilio de Avila Bêrni, ... disse...

aí, chende (sotaque alemão do RS): acho que o assunto já foi resolvido por outra postagem do próprio Ricardo. duas gerações de pais: os mais velhos enfureciam-se com os filhos de maus resultados escolares. os mais novos enfurecem-se com os professores.
DdAB