sexta-feira, junho 13, 2008

Review - Permission to Land (The Darkness)

Um dos meus hábitos mais peculiares é o de periodicamente dar uma remexida nas estantes de promoção das lojas Multisom, de Porto Alegre, em busca de CDs baratos. Mesmo vivendo numa época em que cada vez menos lojas vendem discos novos, já que a divulgação de MP3 pela internet se tornou a regra geral, gosto de ter os discos originais das minhas bandas favoritas. Principalmente se forem baratos.

Na terça-feira passada, um dia depois de voltar de ônibus desde Curitiba até Porto Alegre (maldito caos no aeroporto Salgado Filho), consegui caçar por 14 reais um disco de uma das bandas contemporâneas que mais gosto, a britânica The Darkness.

O The Darkness busca resgatar traços musicais das bandas de hair rock, ou glam rock, do início dos anos 80, como Poison, Motley Crue, Kiss e Van Halen. Isso se aplica tanto nas músicas, na grande maioria das vezes rocks rápidos e enérgicos, como também no figurino de seus membros (sobretudo no vocalista Justin Hawkins, uma versão misturada de Freddie Mercury e André Mattos).

O Darkness é uma das bandas contemporâneas que eu mais gosto, principalmente por causa desse apelo retrô. Porém, reparo que está cada vez mais difícil caracterizar o que é uma "banda contemporânea". Atualmente, bandinhas de rock (não emo, ressalta-se)estouram sucessos na Internet, viram hits em vídeos no YouTube e em downloads no Emule e no SoulSeek, fazem meia dúzia de shows, lançam um disco, e somem tão misteriosamente como apareceram. Como não tenho paciência para acompanhar todos os apogeus e quedas dessas bandas novas, sinto que há muito tempo permaneço ouvindo as mesmas bandas antigas que me fizeram gostar de curtir rock and roll. Portanto, chamo o The Darkness de rock contemporâneo, mas acredito que hoje já não seja tão contemporâneo assim.

O "Permission to Land" é o primeiro CD da banda, e foi gravado em 2003. Tem dez faixas, sendo que a maioria consiste de rocks pesados, rápidos na bateria, e com riffs marcantes de guitarra, no melhor estilo Kiss ou AC/DC. Mas o melhor é que o clima das músicas é positivo, isto é, ao contrário de tantas outras contemporâneas, a banda não cai em devaneios melancólicos para tentar passar seriedade as suas composições. Isso vale também para as baladas contidas no disco, como "Love Is Only a Feeling", "Love on the Rocks with No Ice" e "Holding My Own", que mesmo sendo músicas lentas e melódicas, não relatam coisas como "dores de corno", ou "rebeldia sem-causa".

Mas, pessoalmente, prefiro as músicas mais rápidas, como "Black Shuck" e "Get Your Hands off My Woman", ou mesmo os rocks mais tradicionais, como o hit "I Believe in a Thing Called Love" e a acústica "Friday Night".

Mas o mais pitoresco da banda, sem sombra de dúvida, é o vocal. Justin Hawkins usa um falsete forçado, não tentando parecer um cantor lírico, como o André Mattos do Angra, mas sim de uma maneira quase que debochada, como no Massacration. Mas isso dá certo, diga-se de passagem, e ajuda a caracterizar a banda como algo novo, original, surpreendente, em outras palavras, e não como mais um puxa-saquismo retrô que reflete a grande falta de idéias do rock moderno, como a maioria das demais.

3 comentários:

karyme disse...

De fato, das bandas de rock atualmente, (que são poucas, pois a maioria são bandas emos) o The Darkness é uma das poucas que faz um som legal, que remete as bandas consagradas do rock.E além do mais, eles são super divertidos! rs

Ricardo Agostini Martini disse...

Eles lançaram um disco novo há pouco tempo. Não cheguei a ouvir. Tu conhece?

Abs.

karyme disse...

infelizmente nao conheço!..

;)